A oclusão de veia central da retina (OVCR), chamada também de trombose de veia central, é um entupimento (oclusão) do ramo principal da veia retiniana que realiza toda a drenagem da circulação da retina. O ramo principal da veia central reúne o sangue proveniente dos 4 ramos venosos da retina: o ramo temporal-superior, o ramo temporal inferior, o ramo nasal-superior e o ramo nasal-inferior.

Como a oclusão de veia central ocorre no seu ramo principal, todos os 4 ramos secundários são acometidos por consequência e um grande colapso circulatório acontece em toda a retina.

Esta trombose ocorre provavelmente em um ponto de estreitamento onde a veia central penetra na cabeça do nervo óptico, na região da placa crivosa.

Os fatores predisponentes à oclusão de veia central são a presença de glaucoma e de fatores predisponentes à aterosclerose como hipertensão arterial, diabetes mellitus, tabagismo e dislipidemia (aumento de colesterol e triglicérides).

O paciente costuma perceber um embaçamento súbito ou rapidamente progressivo da visão no olho acometido.

O diagnóstico é realizado ainda no consultório, no momento do mapeamento de retina.

A quantidade de visão apresentada pelo paciente no momento do diagnóstico é um fator importante de gravidade da doença e no prognóstico visual futuro.

O exame de angiofluoresceinografia mostra o nível de comprometimento circulatório retiniano nestes casos e a eventual presença de edema de mácula. O exame de OCT confirma e mostra o tamanho do eventual edema de mácula.

Muito cuidado deve ser tomado para se evitar o aparecimento de um tipo de glaucoma chamado glaucoma neovascular, que é grave e secundário ao sofrimento retiniano generalizado causado pela falta de sangue após a oclusão. O glaucoma neovascular pós oclusão de veia central de retina costuma aparecer 3 meses após a oclusão. Tudo deve ser feito para se evitar esta complicação.

O tratamento, quando indicado, consiste em fotocoagulação à laser e eventual aplicação de produtos dentro do olho para combater o grave edema de mácula que pode ocorrer nestes casos.

O prognóstico visual costuma ser ruim nos casos de oclusão de veia central de retina, com poucos casos de boa visão a longo prazo.

Rua da Paz, 195, sala 123, 1º andar, Alto XV